Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

Falar mourisquense (20)

12.08.10 | João Manuel Maia Alves

Escrito de harmonia com o Acordo Ortográfico
OGAR (pronúncia: ògar) - Ficar perturbado ou incomodado por não conseguir comer, beber ou ter algo que se deseja. (Dê um bocadinho de bolo à menina para ela não ogar. Até ogavas se não comesses o bolo todo.) Borrifar com água. (É preciso ogar esta roupa quando estiver quase seca.) MALINA – Doença epidémica, isto é, de disseminação rápida e generalizada. (Naquele ano veio uma malina que matou muitos porcos.)É COMO LAVAR A CARA A UM BURRO – Ser inútil. (Ralhar com ele ou dar-lhe conselhos é como lavar a cara a um burro. Não tem emenda.)ENCRENCA – Pessoa velha ou fraca. (Já não presto para nada; estou feita uma encrenca. Não tens forças nenhuma, minha encrenca.)TREMPE – Pessoa desajeitada. (Não fazes nada com jeito. Estás cá uma trempe.)REZAM – Consta, dizem. (Rezam para aí que eles vão casar depressa. Não rezam bem da doença dele.)BÊBADO COMO UM CHINELO - Homem que se embebeda com frequência. (Ele não trabalha nem dá dinheiro à mulher porque é um bêbado como um chinelo). Completamente bêbado (Chegou a casa bêbado como um chinelo e tiveram de o meter na cama.)SONGA-MONGA – Pessoa de poucas falas e que mostra pouca cordialidade. (Passa aí e quase não fala com ninguém. Está feito um songa-monga.)ALQUEIRE (Azeite) - Dez litros ou decalitro. (Ela comprou dois alqueires de azeite, que guardou em quatro garrafas de plástico de cinco litros.) LAMBANÇA – Barulheira. (Toda a noite fizeram uma grande lambança e não deixaram dormir as pessoas. Diz a toda a hora que tem um carro como ninguém tem; acho que já é lambança a mais.) SONARENTO – Mole, pouco ativo, sonolento. (Trabalha muito devagar; é um sonarento. O calor põe-nos sonarentos.) PARECER UM PÃO DE MILHO ESCANGALHADO – Rir prolongadamente e com vontade. (Muita graça achaste à história para te rires tanto. Pareces mesmo um pão de milho escangalhado.) (Expressão sugerida por Filipe Manuel Lopes Dias)PÔR AS ORELHAS FORA DO CABRESTO – Ficar atento ou desconfiado. (Quando ele ouviu dizer que a polícia andava à procura dum homem com o nome dele, pôs logo as orelhas fora do cabresto.)PAZ DE ALMA – Pessoa sossegada e pacífica. (É um paz de alma. Para ele está tudo bem.)GADANHA – Pessoa desajeitada das mãos. (Lá deixaste cair a panela outra vez. És mesmo uma gadanha). (Palavra sugerida por Filipe Manuel Lopes Dias)ADEUS – Cumprimento de encontro de pessoas, que pode também ser usado nas despedidas. (Adeus comadre! Há muito tempo que a não via. Estimo muito vê-la.) LAVADURA – Restos de comida a que se acrescentavam coisas como bocados de abóbora e que serviam de alimentação dos porcos. (Este porco come num esfregar de olhos a lavadura que lhe dou.)VIENDA –O mesmo que lavadura. (O porco deve estar cheio de fome. Vou dar-lhe esta vienda.)TIGELÃO – Vaso grande de barro para dar comer aos porcos. (O porco já deve estar com fome. Vou dar-lhe este tigelão cheio de comida.)MASSEIRÃO – Pia escavada numa pedra de granito usada para colocar o comer dos porcos.) (O porco ainda não comeu tudo o que deitei no masseirão.)REMOLGO – Preguiçoso. (Estás sem nenhuma vontade de te levantar. Levanta-te, remolgo)CHAZADA – Reprimenda. (Deu uma chazada aos vizinhos por não o terem deixado dormir com o barulho da festa.)FORRICOSO – Fraco, de aspeto débil, irritadiço, que tem esquisitices. (Derivado de forrica – excremento quase líquido, principalmente de galinhas.) (É uma forricosa – não lhe pode dizer nada e é muito esquisita com a comida.)DESENCULATRAR-SE – Sair da posição correta. (Os alcatruzes desenculatraram-se e a nora não os consegue puxar.) CANADA – Gosto ou tendência. (Gosta de à noite vir cantar para a rua. É uma canada que ele tem.)ESTUDO CABANAL – Boémia, boémia estudantil. (Alguma vez ele fez o liceu! O estudo dele foi o estudo cabanal.)AMOROSO – Suave, agradável (falando do tempo). (De dia esteve muito calor; mas agora o tempo está amoroso e apetece estar na rua.)TOMATA – Tomate. (Estas tomatas são boas para salada.)JUDEU, JUDEU MALINO – Miúdo traquinas. Note-se que isto é usado sem qualquer intenção de ofender os judeus. (Este judeu não deixa nada sossegado. Está quieto, oh judeu malino!)JUDIARIA – Traquinice. A palavra é usada sem qualquer intenção de ofender os judeus. (Quanto se juntam muitos moços pequenos, começam logo a fazer judiarias.)APROVEITOSO – Que se ofende com tudo o que se lhe diz. (Não se lhe pode dizer nada. Fica ofendido com tudo. É muito aproveitoso.)