Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

Notícias de 1903

06.12.07 | João Manuel Maia Alves
O jornal “Echo do Tejo”, que se publicou em Abrantes, na sua edição de 1 de Novembro de 1903 inseriu notícias relativas a Mouriscas. Vejamos estas, da secção “Factos e boatos”, na estranha ortografia da época, que quase dispensava acentos.
Professores das Mouriscas

Foram autoados os professores primarios das Mouriscas. Que o professor primario o fosse não era de espantar an¬tes de espantar era que o não tivesse sido ha mais. Mas que a professora tambem soffresse da sorte do professor é que é de admiração.
.
Não se acautelem as professoras d'estas redondezas em agradar ao Borralho das Mouriscas e verão o trambolhão que levam.

É o caso!

Não temos, ha muito, visto nenhuma ladainha hybrida nem ao nosso par do reino celeste, nem a nenhum dos seus satellites.

Estamos á espera todos os dias de dizer ora pro nobis ao celebrante e não conseguimos.

Alguma vez será.

A última parte é bastante misteriosa. Talvez os leitores da altura a percebessem.

Quem seria o Borralho? Era certamente pessoa de influência. Talvez tivesse nascido noutra localidade, já que não consta que mourisquenses tenham tido esse apelido. Ou Borralho seria uma alcunha?

Vejamos agora outras notícias, da secção “CORRESPONDÊNCIAS”. É referido o que aconteceu aos professores. Fala-se de “um homem que aquece sem dar chama”. É evidentemente o mencionado Borralho.

MOURISCAS

Esta freguezia que continua, como todas as mais, ao abandono dos poderes publicos teve emfim alguem que se lembrasse de zelar os seus interesses. Trata-se da svndicancia que o sub-inspector d'esta circunscripção levantou ao pro¬fessor primario pelo abandono systhematico com que regia a sua escola. Era sabido que o professor deixava passar dias consecutivos sem que os seus alumnos conseguissem pôr-lhe a vista, e era nosso intento pedir providencias a quem as pudesse dar. Não foi, porem, preciso. O digno sub-inspector antecipou-se-nos e muito bem andou em assim proceder.

Porque quem quer auferir ordenados sahidos da bolsa dos contribuintes ha-de prestar os serviços a que se obrigou a quem lhe paga. E o professor só sabia receber sem trabalhar como era do seu dever.

Tambem foi autuada a professora primaria official d'esta freguezia. Não sabemos o motivo porque constando-nos que se trata de perseguição de um homem que aquece sem dar chama.

A seu tempo haverá quem apague os borralhos com alguma chapada de agua, que embora seja fria tambem ha-¬de aquecer.

A auctoridade administrativa tem feito nos últimos tempos por aqui uns actos que hão-de leval-o ao capitólio. (Parece que devia estar escrito “leval-a”). A seu tempo serão conhecidos e esmuiçados para que não lhe falte a devida consagração.

Foi aqui muito sentida a morte do venerando parocho de Alvega, natural d’aqui.

Foram prestar-lhe a ultima homenagem todos os seus parentes e muito povo. Também alli compareceu o reveredo parocho d’esta freguezia que desinteressadamente prestou ao seu collega os serviços do culto.

A que actos da auctoridade administrativa se referia a notícia? Devia ser algo importante porque poderia levá-la ao capitólio, isto à glória.

O pároco falecido chamava-se Severino Ferreira Sant’Anna. Este blogue publicou a notícia da morte, com muitos dados biográficos deste mourisquense, que foi uma pessoa notável, em 26 de Abril de 2006.

O pároco de Mouriscas, também referido, era o Padre Henrique Neves, que haveria de ser protagonista dum conflito político-religioso que este blogue narrou em 7 de Julho de 2006.