Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

Capela da Senhora dos Matos

27.03.07 | João Manuel Maia Alves
(A sua origem histórica)sra_dos_matos.JPGTodos os mourisquenses consagram uma grande devoção a N. Senhora dos Matos e um carinho muito especial pela sua Capelinha que se ergue entre pinhais e num local muito aprazível nos arredores da Freguesia. A Capela da Senhora dos Matos é, aliás, o único monumento histórico de Mouriscas. Por isso, se não têm poupado esforços e sacrifícios para conservar e restaurar, sempre que necessário, aquela veneranda relíquia do passado. Ainda recentemente se procedeu a um considerável trabalho de restauro na Capela e já se projecta, como obra complementar, o conveniente arranjo e alindamento do adro da mesma. Mas era a origem histórica desta Capelinha, que supomos muitos ignoram, o assunto principal que agora queríamos focar. Alguns dos apontamentos que aqui ficam fomos buscá-los ao livro «O Aspecto Espiritual da Aliança Inglesa» do sr. Dr. José Pequito Rebelo, a quem estamos muito gratos pelo seu estudo e pela luz que veio lançar sobre este interessante assunto. Por várias razões e sobretudo pela leitura do Brasão do fundador, pintado na abóbada da Capela-Mor, parece não haver dúvida que esta Capela foi mandada construir no século XVII por um fidalgo inglês. De facto, D. Maria Coutinho, descendente de D. Fernando Coutinho, Marechal do Reino, casou com o fidalgo inglês D. Francisco Napier, que foi governador de Abrantes e era filho de D. Cristóvão Napier que veio a Portugal para ajudar D. João IV nas guerras contra Castela. As armas desta família «Napier» são uma aspa acompanhada por quatro rosas, precisamente as que se encontram no 1.º quartel do Brasão pintado na abóbada da Capela-Mor da Senhora dos Matos. O 2.° quartel, cinco estrelas, serão as armas dos Coutinhos. O 3.º quartel será das armas dos Lencastres, antepassados dos Coutinhos. O 4.° quartel é que fica por decifrar, mas dado o seu aspecto inglês, deve representar outra costela inglesa dos mesmos Napiers. A Capela deve, pois, ter sido fundada por qualquer membro desta família Napier Coutinho, de facto residente em Abrantes no século XVII. Ignora-se no entanto a razão por que, residindo em Abrantes, esta família mandou erguer a Capela em Mouriscas e não naquela cidade. A curiosa legenda inscrita no painel de azulejos do frontal do Altar da Capela — «dña intercede pró Anglia ut convertatr» — (Senhora, intercede pela Inglaterra para que se converta) esclarece sem dúvida a intenção religiosa dos fundadores: — pedir a intercessão de Nossa Senhora para a extinção da heresia protestante em Inglaterra. Para além do valor histórico da sua origem a Capela da Senhora dos Matos tem ainda o valor artístico que lhe dão a imagem de pedra de Nossa Senhora e os azulejos que cobrem as paredes da Capela-Mor, sobretudo os que constituem o painel do frontal do altar.Este texto foi transcrito da brochura editada pela Comissão das Festas de Verão de 1964, com o programa dos festejos e outra informação. Definição de termos do texto: - Brasão – emblema ou insígnia de pessoa ou família nobre- Aspa – emblema ou insígnia em forma de X- Quartel – cada uma das quatro partes em que se divide o brasão.

1 comentário

Comentar post