Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

Futebol mourisquense na rádio

27.11.06 | João Manuel Maia Alves

As rádios locais trouxeram uma verdadeira revolução. Aparecidas aí por 1980, provocaram uma explosão de criatividade, a revelação de muitos talentos locais e uma atenção nunca vista da rádio aos assuntos locais, entre eles o desporto e particularmente o futebol.

A Rádio Antena Livre, também conhecida por RAL, de Abrantes, foi uma das primeiras rádios locais. Teve o slogan "a rádio que justifica a telefonia acesa". Na RAL floresceram vários relatores e comentadores desportivos com muito talento. Cedo começaram a comparecer nos dois campos de futebol de Mouriscas - o das Aldeias, da Casa do Povo, e o da Lameira Redonda, dos Esparteiros.

A RAL esteve presente no campo da Lameira Redonda em jogos dos Esparteiros para o campeonato distrital da 1ª divisão. Infelizmente a passagem dos Esparteiros pela 1ª divisão distrital não durou muito, tendo descido à 2ª divisão, juntando-se à Casa do Povo, a outra equipa de Mouriscas.

Lembro-me da presença da RAL num jogo disputado no campo das Aldeias entre o dono do recinto desportivo, a equipa da Casa do Povo, e os Esparteiros, oficialmente equipa visitante, embora não tivesse viajado para outra terra. Esse desafio, a contar para o campeonato distrital da 2ª divisão teve a honra de ser o jogo principal na cadeia de desafios em que a RAL esteve presente nesse domingo. Tratava-se duma cadeia de nove jogos, número que nas rádios nacionais só foi ultrapassado pela Antena 1. Desses jogos um realizava-se em Portalegre, no campo do clube local chamado Estrela, penso que da 3ª divisão nacional. Houve uma altura em que a RAL tinha um emissor na região de Portalegre, transmitindo numa frequência para a zona dessa cidade e outra na região de Abrantes, onde nas Arreciadas, da freguesia de S. Miguel do Rio Torto, tinha o outro emissor. Portanto, o relato do dérbi mourisquense chegou longe.

Voltando ao jogo de que falávamos, ele foi relatado por Vítor Falcão, homem muito conhecido como fisioterapeuta que assinava na RAL outros programas de qualidade. De pé, a meio-campo, do lado da estrada, Vítor Falcão fez o seu relato, com a vivacidade muito especial que punha na sua narração.Tinha o hábito de dizer dos guarda-redes algo como "fulano recreia-se um pouco com a bola". Nessa tarde Vítor Falcão disse várias vezes frases semelhantes, referindo-se tanto ao guarda-redes da Casa do Povo como ao dos Esparteiros.

Nesse jogo entre as duas equipas mourisquenses dos campeonatos distritais, Vítor Falcão teve a colaboração dum crítico de arbitragem, um senhor duma certa idade de que não recordo o nome. Os dois trabalhavam de pé, cada um com o seu microfone.

Noutro jogo disputado nas Aldeias compareceu Jorge Beirão para o relato. O jogo punha frente a frente a Casa do Povo e o Pego. O árbitro expulsou um jogador de Mouriscas. Jorge Beirão punha muita emoção e franqueza nos relatos. No comentário final disse que noutra terra o árbitro teria tido muitos problemas depois do jogo. Os termos que ele usou foram menos brandos.

Um repórter da RAL disse durante um jogo coisas que não agradaram ao clube e ao público locais. Por isso foi considerado indesejável na localidade. Não me consta que em Mouriscas tenha acontecido o mesmo.

Tanto no campo da Aldeias como no da Lameira Redonda vi outros colaboradores da RAL comparecerem não para relatar o jogo mas para dar constituições das equipas, resultados e para fazer comentários. Recordo nesse papel Augusto Martins, Vítor Florentino e Vítor Águas.

De Vítor Águas, do Sardoal, já falecido, tenho uma recordação inesquecível, que passo a contar. Numa tarde muito chuvosa, a Casa do Povo jogou no campo das Aldeias penso que com os Dragões de Alferrrarede um jogo a contar para o campeonato distrital da 2ª divisão. Vítor Águas refugiou-se atrás do balcão do bar por detrás da baliza do lado norte. Ali permaneceu durante o jogo, fumando a sua cigarrada e atento ao que se passava no retângulo. Dali interrompeu para assinalar os golos e dar o resultado quando lho pediram. No fim do jogo, com a sua bela voz de homem do teatro, fez o comentário ao jogo, dando uma visão detalhada do que se tinha passado, o que achei uma notável proeza para quem tinha visto o jogo bem por detrás duma baliza numa tarde chuvosa e escura.


João Manuel Maia Alves