Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

Falar mourisquense (6)

10.05.06 | João Manuel Maia Alves
Continuemos a ver alguns termos que se usam ou usaram em Mouriscas.

RŨI (R + U com til + I) – Ruim, mau, de má qualidade. (Esta faca é rũi. Aquilo é gente rũi.) Adoentado. (Ele tem andado rũi.)

PEPINEIRO – Que come pouco ou com dificuldade. (É difícil fazer este miúdo comer como deve ser. É muito pepineiro.) Parece que este termo vem de serem enfezados os gatos nascidos na altura dos pepinos.

ATENTAR – Aborrecer, importunar. (Quando ele era pequeno, atentavam-no com a alcunha de “Zé da Burra”.)

DESALVORAR – Fugir. (Não assustes a mula, senão ela desalvora.)

FRAGONETA – Furgoneta.

BOUZILHÃO – Inchaço. (Caiu sobre uma pedra e ficou com um bouzilhão nas costas.) Dicionários editados no Brasil registam nozilhão com o mesmo sentido.

NOIVADO – Jantar oferecido depois do casamento aos padrinhos e familires chegados.

CURSO – Nos primeiros tempos do colégio em Mouriscas, algumas pessoas chamavam-lhe curso. (Então andas no curso?)

FEIJÃO-PRETO – Na maior parte do país chama-se feijão-frade.

VAGANAL – Corpolento. (Ele é um vaganal.)

ARRANÇAR – Ralhar ou zangar-se. (Andam sempre a arrançar um com o outro.)

PROPÓSITO – Modos apropriados. (Senta-te com propósito. Não tens mesmo propósito nenhum.)

AVENTAR – Atirar fora. (Avanta isso que está sujo. Ele aventou para a rua uma data de cadeiras velhas.)

POJINHO – Pequeno remoinho de vento nos meses de verão, muitas vezes atribuído a almas desencarnadas. Sítios onde se tinham enforcado pessoas eram considerados atreitos a pojinhos.

NASSENHORA – Não cortês. (Já veio o correio? Nassenhora)

João Manuel Maia Alves