Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

MOURISCAS - TERRAS E GENTES

Criado em 2004 para falar de Mouriscas e das suas gentes. Muitos artigos foram transferidos doutro espaço. Podem ter desaparecido parágrafos ou espaços entre palavras, mas, em geral, os conteúdos serão legíveis e compreensíveis.

Francisco Lourenço Grossinho

08.03.06 | João Manuel Maia Alves
flg.JPGFrancisco Lourenço Grossinho nasceu em Mouriscas, no Casal dos Castanhos, a 13 de Dezembro de 1908 e faleceu no lugar do Tojal, da mesma freguesia, a 4 de Janeiro de 2002.Filho de agricultores, após a instrução primária ajudava em pequenas tarefas relacionadas com a agricultura.Aos 16 anos, ingressou na Repartição de Finanças/Tesouraria da Fazenda Pública de Abrantes, onde trabalhou até aos 22 anos.A experiência e os conhecimentos adquiridos naqueles seis anos levaram a que fosse convidado para integrar a comissão de avaliação de prédios urbanos do Concelho de Abrantes, comissão que tinha por objectivo ajudar a determinar a contribuição a pagar anualmente pelos referidos prédios.Foi frequentemente nomeado para peritagens que envolviam a avaliação de casas e/ou terrenos a serem expropriados para obras de utilidade pública.Foi igualmente, e por largos anos, nomeado pelo Tribunal para "fiel depositário" de bens a vender em hasta pública.Desenvolveu estas actividades até aos 90 anos, altura em que entendeu que devia parar e descansar.Entretanto, e durante praticamente toda a sua vida, foi inúmeras vezes convidado por particulares para ajudar na avaliação e divisão de bens herdados e na preparação de escrituras de partilhas e/ou de compra e venda.Durante muitos anos fez parte da Junta de Freguesia, primeiro como secretário, depois como presidente. Ao longo de todo esse tempo integrou a Comissão de Festas de Mouriscas. Os lucros dessas festas permitiram a construção da antiga Sede da Junta, o melhoramento de fontes e caminhos e deram um grande contributo para construção da nova Igreja Matriz e da Casa Paroquial.Desenvolveu grandes esforços para a electrificação de Mouriscas (tarefa muito difícil devido à grande dispersão dos "casais") e para o abastecimento público de água à Freguesia. Incentivou e colaborou na exploração e canalização da água da mina do Amieiral, na serra das Lercas. Transportava a cavalo, único meio de transporte possível naquelas paragens, a dinamite, os "rastilhos" e outro material necessário para a abertura da mina e das canalizações. A água era introduzida na conduta que abastecia os fontanários públicos de então e a 1a fase do abastecimento domiciliário. E é essa água que hoje corre, livre e abundantemente, na Fonte dos Amores, que a actual Junta de Freguesia construiu e embelezou.Foi um dos principais impulsionadores e promotores da Feira Anual de Mouriscas e apoiou desde o início a ideia da construção da Barragem do Negrelinho, obra idealizada e projectada gratuitamente pelo Eng° Jerónimo Dias Leitão.Foi ainda vereador da Câmara de Abrantes onde, por ser o vereador mais velho na altura, substituiu o Presidente aquando da Revolução do 25 de Abril.Queremos ainda acrescentar que as suas actividades ao serviço da comunidade decorreram sempre a par com a gestão das suas propriedades agrícolas, não muito numerosas, mas que, de qualquer modo, lhe exigiam tempo e atenção.Sem grandes estudos, foi um autodidacta que desempenhou sempre com dignidade e bom senso as missões que se impôs e as que lhe foram confiadas. E todo o seu trabalho ao serviço da Junta de Freguesia foi gratuito como, aliás, o de todos os outros elementos que exerceram tais funções antes do 25 de Abril.