Quarta-feira, 14 de Fevereiro de 2007

Festas de Verão (2)

(Continuação)

Nos primeiros anos da década de cinquenta, do programa constavam as célebres “cavalhadas”. Os concorrentes montavam a cavalo e o objectivo era, em corrida, partir um cântaro que estava suspenso numa corda e evitar levar com os cacos ou com o que estava dentro do cântaro, em cima. Dentro dos cântaros havia gatos, cobras, aranhos, água, terra, cinza e outras coisas que era preciso evitar que viessem a cair em cima dos concorrentes.

Outra componente do programa eram os torneios de tiro aos pombos e mais tarde aos pratos, pois não era fácil conseguir pombos em quantidade suficiente. Fizeram-se torneios no Negrelinho, Casal Soares, Campo da Várzea e noutros locais que a minha memória já não consegue recordar. Havia os prémios, normalmente oferecidos para que o lucro saísse reforçado. O “campeão” de Mouriscas nesta disciplina era normalmente o Sr. António Faria.

As gincanas de automóveis, que ocorriam integradas no programa das festas, traduziram de certo modo o desenvolvimento das novas tecnologias ao utilizar o automóvel, cujo uso começava a generalizar-se também como veículo de lazer e descontracção. Havia nestas gincanas verdadeiros momentos em que era patente um conflito de tecnologias quando numa das provas o piloto deixava o automóvel parado no meio da pista e circulava à sua volta, montado num burro, quando conseguia.

O ponto mais alto das festas ocorria pela noite fora: orquestra a tocar, bailarico no dancing, o mais escondido no centro e quanto mais apertado melhor.
Havia também os sorteios da quermesse para os que não dançavam, onde os prémios eram tachos, panelas e bonecas para as crianças. A meio da noite comiam-se umas sardinhas assadas, uns pregos, cachorros, frangos e bebiam-se uns copos e umas cervejas e lá se ia passando a noite em alegre e são convívio. Outros, porém, gozavam a festa passando a noite ao balcão da barraca do vinho e da cerveja a regar as suas mágoas e pela madrugada só a “padiola” ou as suas mulheres os conseguiam levar dali.

Do programa nocturno faziam parte as variedades e neste campo as festas das Mouriscas davam cartas. Actuaram aqui os melhores artistas nacionais e quase em exclusivo, naquela altura: Maria de Lurdes Resende, Eugénia Lima, Luís Piçarra, Yola e Paulo, Paulo Alexandre e muitos outros.

O facto de existirem mourisquenses ligados à rádio e televisão sempre foi uma mais valia para se conseguir trazer aqui os melhores artistas que na altura existiam.

Motivadas pelo prestígio das festas de Mouriscas, outras localidades como o Pego, Rio de Moinhos e mais algumas, começaram de certo modo a competir, procurando trazer também ali o que melhor havia no campo artístico, tendo-o conseguido nalguns casos. Havia assim um certo despique entre as festas das Mouriscas e as de outras localidades.

O fogo de artifício constituído por fogo preso, foguetes de lágrimas e girândolas, constituía também um ponto alto das nossas festas, tanto mais que os dois pirotécnicos da terra, o Sr. Francisco Marques Amante e Filhos e o Sr. José Fernandes Duarte, este ainda entre nós, primavam por nos brindar, com o que de melhor produziam, notando-se até uma salutar concorrência entre ambos

No último dia das festas acontecia sempre um facto muito esperado e que mantinha sempre um certo suspense até ao fim: ”a rifa do carneiro”. Muito antes do início das festas começavam a ser vendidos os bilhetes para a rifa, mas só no último dia era feito o sorteio. O vencedor, quando presente, tinha que conviver com a satisfação de ter ganho o dito, mas com o incómodo de o levar para casa às tantas da noite e normalmente contrariado por ter mudado de dono.


Alberto Grossinho
publicado por João Manuel Maia Alves às 08:15
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Casamentos à moda antiga ...

. Casamentos à moda antiga ...

. Casamentos à moda antiga

. Alcino Serras - atleta d...

. Paulo Lourenço – trabalho...

. Paulo Lourenço – trabalho...

. Major-general médico Carl...

. Curioso costume

. Notícia de 1901

. Chuva de estrelas nas fes...

.arquivos

. Junho 2016

. Maio 2016

. Maio 2014

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds